A Casa de Deus

Enquanto procurava o Universo em mim,
encontrei-te na nuvem que por mim clamava.
Aflita.
De me não ver na chuva.

– Porque buscas a verdade como um garimpeiro?

Já não vivias em mim.
Eras o espaço que separa as partículas de pó
onde voa a minha lida na casa de Deus.
A nuvem que clama é bem uma recordação diminuta.

Enquanto o Universo perguntava por mim,
achei-te na chuva, no pó dos livros, na varanda sinistra.

Quis ser trovão mas a alma conteve-se.
Quis ser o espaço que a forma ocupa,
mas outro Deus se ergueu.

Eu era as partículas do pó
e tu a vassoura impondo-me o Infinito.
Fiquei cego aos quarenta.

Alburneo
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s